segunda-feira, 2 de maio de 2011

SOMBRA PODEROSA

Broadway- NY


Esse último fim de semana, tive o imenso prazer de assistir pela segunda vez "O Fantasma da Ópera, na Broadway, em NY. Pensava que algo do encanto que tive na primeira vez que vi, pudesse se perder, mas tive uma agradável surpresa ao me dar conta de que estava completamente enganada.

A história contada nessa ópera é  uma história de amor. Uma história de rendição à sombra. Uma história de conexão com o poder que emerge a partir dessa rendição.

Quem nunca se sentiu atraído pelos aspectos sombrios da vida? Quem nunca se sentiu excitado por aquilo que é proibido ou que faz parte do lado sombrio da vida ou das pessoas? Triste daqueles que não mergulham em suas próprias sombras e se contentam apenas com o que o seu ego revela de si mesmo. Segundo Jung, pessoas assim,  abrem mão de conteúdos preciosos, segundo ele, "ouro puro".

 Penso que essas pessoas provavelmente tem vidas pobres e rasas. Penso que as pessoas que constroem uma parede rígida entre o bem e o mal, entre o frio e o quente, entre o negativo e o positivo, entre o que é de "Deus" e o que é do "Diabo", devem ter uma vida muito pobre e sem complexidades.

Penso que pessoas assim, são as que mais julgam o outro e também, são as que mais são duras e inflexíveis em seus julgamentos. Pessoas assim provavelmente tem problemas com o prazer e com o desejo. Pessoas assim, provavelmente estão distantes da compaixão e da bondade. Pessoas assim provavelmente jogariam pedras em Maria Madalena por amor a Maria. Pessoas assim, provavelmente acreditam em pecados.

A "sombra", sob o olhar da psicologia desenvolvida por Jung, é um aspecto do nosso inconsciente que guarda os conteúdos negados ou reprimidos. Conteúdos que nossa "persona" não consegue, por muitas razões, lidar conscientemente. Aquilo que a persona julga não sermos nós mesmos, é a nossa sombra. Seria algo como o "negativo" de nós mesmos, aquilo que é capturado pelo filtro do ego, da cultura e da educação e não podem vir a tona. 

Comumente vemos nossa "sombra" nos outros. É bem conveniente assim. Vemos, julgamos e acusamos as outras pessoas por revelarem aspectos da nossa sombra. Não queremos que ela seja revelada, por isso, qualquer pessoa que tenha comportamento ou características que negamos em nós mesmos, nos irrita profundamente, e quanto mais inconsciente formos da nossa "sombra" mais irritados e até mesmo irados, ficaremos. Muitas vezes buscamos ajuda na terapia para conhecer mais da nossa sombra. Um bom processo terapêutico nos ajuda a encontrar coragem e mergulhar na nossa alma e reconhecer em nós mesmos, e não nos outros, o que negamos e reprimimos.

A sombra deixa de ser sombra quando a conhecemos. Essas energias se transformam em poder. Quanto mais conscientes estivermos de nós mesmos, menos conteúdos teremos na sombra, mais expandida será a nossa consciência, mais inteiros estaremos. Quanto mais distantes nossa "persona" estiver do nosso "self", mais fracos e frágeis seremos. A força vem da nossa inteireza. A nossa força e nossa poder vem de nos aceitarmos e entendermos como um ser inteiro, com aspectos que gostamos e outros nem tanto. 

O "fantasma" da ópera é sedutor, apaixonado, intenso. Nenhuma pessoa consegue assistir a essa ópera sem se apaixonar por ele. Impossível não ficar excitado ao assistir Christine, como uma linda "Perséfone" ocidental, sendo levada aos porões nebulosos do inconsciente pelo fantasma apaixonado.

O mocinho da história, não tem a metade do charme e poder que o fantasma tem. Apesar de "Christine" escolher o mocinho, o seu poder vem da sombra. Quando ela se rende, se entrega ao poder que a sombra lhe oferece, ela se transforma na cantora que é, na mulher que é. Antes disso, ela é apenas uma figurante na vida. Assim como na mitologia grega, "Coré" se transforma na deusa "Perséfone" ao se render ao amor de "Hades", o Deus do mundo Avernal.

O fim da peça nos mostra que a sombra nunca morre. Não conseguiremos capturá-la. Não temos o poder de negá-la ou aprisioná-la. A única atitude funcional em relação a sombra, é abraçá-la. Quando "Christine" a abraça, quando a mocinha reconhece o poder da sombra, ela se desfaz. Ela não desaparece, ela simplesmente perde a forma e o poder sobre Christine e ela pode seguir o caminho que escolheu. 

Somos prisioneiros da sombra enquanto a negamos, somos prisioneiros do nosso inconsciente e dos conteúdos reprimidos, enquanto fugimos dele. No momento que nos dedicamos a olhar de forma amorosa para nossa "sombra" nos libertamos e assimilamos poder e energia que lá estava represada.

No fim da Ópera, vemos que é impossível capturar e submeter a "sombra". Não existe poder nenhum que consiga isso. A única coisa construtiva que podemos fazer com nossa sombra é lançar um olhar amoroso sobre ela e  transformar seu conteúdo inconsciente em consciente.

As perguntas que lanço são: Quais os conteúdos da sua sombra? Como ela se parece? Que partes suas estão encerradas em um porão escuro? Que partes negadas podem e devem ser abraçadas para que voce se sinta cada vez mais inteiro?

Bom...o mocinho é lindo, mas o Fantasma é quente. O mocinho é bom, mas o fantasma é intenso. Que tal unirmos esses aspectos em uma só pessoa?

e.....que tal se essa pessoa formos nós mesmos?

Ludmila Rohr

10 comentários:

  1. Lana Rohr Cardoso Philippson2 de maio de 2011 17:59

    Nossa vc parece que advinhou meus pensamentos hoje!Estava justamente pensando sobre esses tipos de pessoas hoje.Vc simplesmente matou a pau com esse post!Maravilhoso!Amei!

    ResponderExcluir
  2. Realmente Ludmila ,o contato com a minha sombra tem me ajudado a crescer .Ter a consciência da minha vulnerabilidade me deixa mais forte.Saber desse meu lado que durante anos coloquei pra baixo do tapete não é fácil,dói muito mas está me libertando a cada dia.

    ResponderExcluir
  3. Lindo post! Beijos (Amo esse espetáculo!)

    ResponderExcluir
  4. Ah! desta vez vc arrazou! que bela inspiração! que bom um dia poder assistir este espetáculo já com está informação! adorei! o lado sombrio que escondemos, que negamos, que censuramos no outro porque não queremos ver em nós é justamente o que nos libertará , não deve ser fácil... mas, possível quando estamos decididos a connhecer e assumir, claro que uma ajuda terapeutca encurta o caminho, somos todos ardilosos e temos desculpas suficientes para negar mas, chegaremos lá e se formos hábeis podemos nos aproximar cada vez mais da nossa sombra e assimilarmos energia e poder...ah! como é breve a vida para tantas descobertas! bjs. Nubs

    ResponderExcluir
  5. Lud,
    Eu sempre tive problema com minha sombra.... na verdade, um pouco de medo, porque sempre fui de encontro a ela como um imã, enquanto a volta, tudo gritar que era proibido estar nela! Noentanto, a volta via superficialidade, então, mais a sombra me atraia...

    Ela ainda me atrai...muitoooooo e é uma briga constante.rsrsrs

    Vou lá, transito no ambiente sombrio e volto...
    rsrsr

    Agora não tenho mais medo de ir, porque sei o caminho de volta, mas, sei que me sinto mais viva quando estou lá, vivenciando sem julgamentos.

    A força está em manter luz no meio da sombra.
    A força está em saber que o mundo é muito mais complexo que a divisão entre "certo e errado"... isto pode queimar os neuronios, por isto a divisão é uma zona de conforto...

    Eu tenho uma fera na minha vida...... e cada vez que a tento capturar, entendo que existem inumeras formas de amar e principalmente, que sou capaz de amar em cada uma delas....

    ResponderExcluir
  6. Querida, que bom encontrá-la!
    Será que vc ainda está em Salvador??
    Me dê notícias: ccrislopes@uol.com.br
    Amei seu blog, vou voltar aqui sempre!
    Sincronicamente acabei de fazer uma página de scrap em "homenagem" à minha sombra...rs... Não há nada melhor que aceitarmos quem somos por inteiro... Olha... Tantas novidades, saí do Tribunal etc etc...
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  7. Nossa, sou apaixonada por essa historia e queria muito ver a peça.
    Mamarazzi Week, dicas de blog e presente de dia das mães.
    E uma homenagem especial!
    Confira!
    Bjs e fik c Deus.

    ResponderExcluir
  8. Cláudia, estou morando no Texas desde 2009. Vou sempre a Salvador trabalhar. Dou aulas, palestras e atendo no consultório.
    Esse blog é atualizado todas as segundas!
    Bjos
    ludmila

    ResponderExcluir
  9. Lud,

    Adorei seu post.Meu grande desafio nesta jornada...rsrs...Não é fácil, mas tô no caminho.

    Aproveito pra te deixar um bjão pelo dia das mães...que na verdade é todo dia.

    Bjs.

    ResponderExcluir

Sempre leio todos os comentários e gosto muito de recebê-los!