segunda-feira, 9 de maio de 2011

OTIMISMO x PESSIMISMO

Infelizmente não sou otimista.
Definitivamente não sou. Até gostaria de ser, mas não consigo. Tenho uma tendência desde que lembro de mim, a ser realista demais, para suportar a parcialidade dos otimistas e dos pessimistas. 

Era uma velha quando criança. Lembro de mim, preocupada com as coisas que a maioria das crianças nem se importavam. Na adolescência idem, acho que até fui meio "dark", não conseguia ser uma adolescente típica, era "profunda" demais pra minha idade. 

Acho que a maturidade até que me fez mais leve, e um pouco mais otimista que fui a vida toda. Quando criança, lembro de ter lido um livro chamado "Polyanna" e ter odiado. Odiava a "brincadeira do contente" da personagem principal que eu qualificava de toda sorte de descrições indelicadas. Achava que era a própria imbecilidade lidar com a vida como Polyanna, que eu julgava ser uma pessoa sem força e sem coragem para ver a realidade.

Preciso esclarecer que estou escrevendo sobre isso, porque uma pessoa que me segue no twitter e que é sempre tão educada e delicada, me perguntou sobre o que eu faço quando estou tomada pelo pessimismo.  Estava esperando a inspiração chegar para escrever o post dessa semana, quando essa pergunta chegou. Decidi na mesma hora que esse seria o tema dessa semana. Minha resposta para ela foi que eu escreveria aqui, já que no twitter, o limite de 140 caracteres me impediria de falar como eu gostaria sobre esse tema.

Antes que os apressados me julguem pelo começo do post, quero deixar claro que também não sou uma pessoa pessimista. Não lembro de mim sendo pessimista em nada na minha vida. Achando que as coisas vão dar errado ou com algum sentimento de desistência ou derrotismo. Muito pelo contrário. Sou muito construtiva e pró-ativa, e acho que se depender de mim, posso qualquer coisa.

Sempre me recusei a ter uma visão parcial das coisas, embora tenha a convicção de que estou muito longe de uma visão plena que os Budhas alcançam (confesso que essa é a minha meta). Mas, tentei por toda minha vida ampliar o máximo que pude a minha perspectiva das coisas, tentando incluir as mais variadas possibilidades e nuances de cores possíveis acho que até mesmo para ter menos chance de ser surpreendida (coisas de capricorniano), talvez até como uma defesa. 

Percebi isso claramente quando estava grávida do meu primeiro filho e por não saber o sexo do bebê as pessoas me diziam no maior amor: "Tudo bem ser menino ou menina, contanto que venha com saúde!". Eu ouvi essa frase algumas vezes até estourar num não muito educado: "E se não vier com saúde, devo jogar fora?" Para mim, estar gerando um bebê incluía qualquer possibilidade, inclusive aquela que as pessoas não querem nem pensar, como se evitando pensar nela, as fosse proteger de algo.

Quando meu marido teve câncer, a possibilidade da morte sempre existiu na minha mente. Por pior e mais sofrido que isso fosse, sabia que isso era uma possibilidade. Sempre dizia pra quem perguntasse por ele, que ele estava fazendo o melhor que podia, e era verdade, e que o resultado não nos pertencia. A nossa parte era fazer o melhor. E fizemos, porque em nenhum momento deixamos de pensar que a cura fosse uma possibilidade concreta também.

Ser OTIMISTA pra mim é aquele que só vê o lado bom das coisas, as boas possibilidades, sem pensar que aquilo que ele julga ser bom, de repente nem é bom de fato. A minha questão é: Como é possível ter certeza de que aquilo é realmente uma coisa boa? 

O inverso é verdadeiro também. Ser PESSIMISTA é pensar que só as coisas ruins podem acontecer. É sempre pensar no pior, ou que as coisas não darão certo. Assim como o otimista, o pessimista é tendencioso, vê apenas um lado. Julga as coisas pelas aparências ou pela sensação agradável ou desagradável que elas possuem. Um julgamento simplista. É agradável, então é bom; é desagradável, significa que é ruim. Sabemos que as coisas não são simples assim. Muitas coisas dolorosas e desagradáveis se revelam extremamente positivas e construtivas em nossas vidas, não é mesmo? Da mesma forma, muitas coisas deliciosas, se revelam entraves importantes no nosso crescimento.

Acho que as coisas são como são, e a grande diferença é o nosso olhar sobre elas. Normalmente não questiono as coisas, mas questiono a mim mesma. O que tenho feito com elas? Qual a minha parte nessa história? 

Mas....pensando bem....podemos fazer uma confusão entre PESSIMISMO e INTUIÇÃO. Todas as  vezes que me senti mal em relação a alguma coisa que estava prestes a fazer, ou mesmo algo que estava para acontecer, e me julguei sendo pessimista, depois descobri que havia tido uma intuição. Algo me avisando que não devia ir por aquele caminho. Algo dentro de mim sabia que aquilo não ia dar como eu desejava. Nem posso dizer que minha intuição me dizia que esse algo não ia dar certo, porque eu estaria me contradizendo. Acho que minha intuição apenas me dizia que eu estava a desejar algo que não aconteceria, ou que aquilo que não sairia como eu estava planejando. 

Acho que a nossa INTUIÇÃO é realmente nosso sexto sentido. Ela "vê", "sente" ou "prevê" aquilo que nossos olhos não querem ver, ou aquilo que nossos desejos impedem que nossa razão conclua. Toda vez que neguei minha intuição, percebi depois que errei. Devia ter dado atenção a ela. 

Sendo REALISTA, acho que para morrer basta estar vivo. Sendo realista, acho que existe chance de algo dar errado, isso pode acontecer. Sendo realista, não consigo deixar de pensar que tudo é possível. Inclusive aquilo que aparentemente é impossível. Sendo realista acho que as coisas mais improváveis são possíveis, e as mais deliciosas também. 

Sempre quis uma vida inteira e nada pela metade. Não posso querer ver uma parte das coisas. Não posso escolher apenas aquilo que satisfaz meu ego ou minha vaidade.

Sendo REALISTA acho que "NADA é impossível e TUDO é possível".
Gosto de viver assim.

Ludmila Rohr



14 comentários:

  1. Lana Rohr Cardoso Philippson9 de maio de 2011 18:44

    Simplesmente tudo de bom!Amei!Como sempre vc traduz exatamente o que se passa provavelmente com 90% da pessoas.Fechei minhas segunda feira com chave de ouro!

    ResponderExcluir
  2. Cogitar a possibilidade do sucesso e a do fracasso nos protege da decepção. Você transita entre os dois lados de uma situação, torcendo pra que dê certo, mas sabendo que pode dar errado! C'est La Vie!!!!

    ResponderExcluir
  3. Eu sou cum clichê...Pé no chão e cabeça na lua... :) Excelente texto, Lud!!! Bjo!

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto! Adoro textos escritos p mulheres inteligentes q conseguem aliar razao e emocao! Apesar de nn concordar totalmente c alguns pontos q vc expos, p.ex., acho que o otimista nn deixa de ver as possibilidades ruins de uma situacao, acho q simplesmente canaliza a energia pro lado positivo, a crenca de q vai dar certo. E o inverso p pessimismo. Mas eu acho maravilhosa a leitura dos seus textos pq vc sempre aborda os assuntos de uma forma mto ampla, ainda q explicite sua opniao, sua maneira de ver as coisas, nn se coloca intransigente, nn se fecha no q vc pensa... Seus textos me fazem refletir. E gosto mto disso! Parabens, Ludmila querida! Um abraco carinhoso. Carla Wakamatsu.

    ResponderExcluir
  5. Gosto sempre do que escreve, sempre esclarece, e sempre mostra outra forma de ver e pensar. Hoje vou mudar um pouco o foco, algo na sua fotografia confirma o que já me chamava a atenção quando andava por outros países. Já reparou que aqui em Salvador os nossos bancos públicos principalmente os da orla estão sempre virados para a rua nunca para o mar ou para o jardim? Na verdade o melhor é ver a paisagem, relaxar e não se importar com as pessoas que passam ou o transito, vc está sentada em frente a este campo de costas para quem passa, por que será que nossa lógica difere tanto? Desculpe fugir um pouco do texto. bjs. Nubs

    ResponderExcluir
  6. Obrigada por mais um belo post, que me fez pensar, reflectir e tentar mudar... Bjs

    Lara

    ResponderExcluir
  7. Um belo texto, eu diria um texto com muito ground. Mulher inteligente, com reflexões cada vez mais profundas, já notou? Uma beleza, Lud, adorei.
    ANA LIÉSE.

    ResponderExcluir
  8. "Eu sou um otimista, mas um otimista que carrega um guarda-chuvas." - Harold Wilson.

    ResponderExcluir
  9. "E se não vier com saúde, devo jogar fora?" MORRI DE RIR! rsrsrs ADOREI!

    Eu sempre achei que o otimismo impulsiona coisas boas. Ainda penso assim, pensar que tudo vai dar certo, mesmo quando dá errado, faz dar certo. É uma pré-disposição para a mudança do que não está bom e uma busca pela perfeição. Claro, se perdoando. Entendendo que nada é perfeito mesmo e que aqui e ali as coisas sairão erradas. Mas com um propósito no final de aprendizagem, de alerta, de amadurecimento. As coisas ruins acontecem pq têm que acontecer e nos cabe combatê-las com ações otimistas. Bom, isso tudo na teoria é legal. Na prática, é um pouco mais tortuoso, embora tente sempre agir com coerência àquilo que imagino ser o bom pra mim. Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Tb prefiro ser realista a ficar nessa de achar "tudo lindo"...rsrsr.
    Interessante essa sua historia da gravidez... minha mae passou pela mesma situacao qdo estava gravida de mim. Algumas pessoas recriminavam meu pai pq ele tb nao concordava com essa historia de que "venha o q vier, desde q venha c saude". Filho é filho e acabou!

    Bj e fik c Deus.
    Obs: Estamos com um projeto de posts coletivos chamado Projeto 10 em 10. A intenção é que fazer 10 fotos, em 10 horas diferentes do seu dia, colocar tudo junto e publicar.Tá a fim de aderir no próximo mês?!

    ResponderExcluir
  11. Primeira vez que leio um texto seu.Gostei muito! Me identifiquei.Costumo prestar atenção na minha intuição,mas não muito ao pessimismo.bj

    ResponderExcluir
  12. Procuro estar focada no otimismoe acreditando muito na intuição.Ela normalmente é minha amiga.rs
    bj, Ale_SRN

    ResponderExcluir
  13. Frequento seu blog há algum tempo e adoro seus escritos...muito bom.
    Já levo comigo a msg que vc um dia deixou aqui "Estou me afastando do que me atrasa, me segura e me retém. Fui ser feliz e não volto." (Caio Fernando Abreu)

    Tento não esquecer mas ás vezes confesso q fica difícil
    Moro do lado do Mahatma e estava pensando em entrar na Yoga.

    bj
    www.dartufba.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Hei... Dart!!!!
    Quem dera eu estar ao lado do Mahatma!!!! Me deu saudade ...
    Vá sim!!! e qdo eu estiver em Salvador...vá me ver! sempre dou palestras!!! Bjo

    ResponderExcluir

Sempre leio todos os comentários e gosto muito de recebê-los!