quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Sexualizando....

Quero continuar a refletir sobre desejo.

Quero também deixar claro que quando falo de desejo, não faço nenhuma referencia direta, ao desejo sexual, embora toda energia que move os desejos, sejam energias de natureza sexual, mas não no sentido genital!
Quando pensamos em sexualidade, somos levados imediatamente a pensar em genitalidade, em ato sexual, ou mesmo em desejos sexuais, fantasias...e por aí vai..


Sexualidade é muito mais que isso! A nossa sexualidade ultrapassa os limites das nossas zonas erógenas e alcança todo o nosso corpo; ultrapassa os limites do corpo e avança na nossa alma, na nossa áura, e na nossa mente... a nossa sexualidade é a porta de acesso ao nosso espírito!


Essa energia é tão poderosa que tem o poder de nos conectar com o que existe de mais mundano, mas também com o que existe de mais sagrado! Os indianos chamam de Kundalini...a energia da vida..que nos leva em direção aos desejos e/ou à sabedoria e conhecimento. A tradição indiana milenar, conseguiu, ao contrário da nossa, unir o mundano ao sagrado...o sexo é visto como sagrado. A união de corpos e o orgasmo são visto como um momento que imita a criação do universo, como o momento em que mais estaríamos próximos de Deus.


Conheci na Índia inúmeros templos que são adornados por imagens de atos sexuais explícitos. Muitos Deuses e Deusas são representados com seus genitais expostos, com seios fartos. Conheci templos onde no centro estavam a figura do Linga (pênis), e Ione (vagina). Eles nos colocam em choque com as nossas imagens santas, com seus corpos cobertos e negados.


Digo com muita convicção que precisamos sexualizar a vida. Se queremos uma vida intensa e prazerosa, precisamos buscar as sensações das coisas, sair de um estado de anestesia que normalmente se vive e buscar SENTIR. Entretanto, devemos fazer isso desapegadamente. Precisamos estar abertos e inteiros no contato com nossas sensações e sentimentos, mas precisamos nos desapegar..deixar passar...não tentar retê-los por mais tempo que o necessário.. por que dái vem o sofrimento.


Tenho visto durante esses anos que lido com pessoas, que elas foram aos poucos e por conta da dores da vida, se anestesiando! Tentando fugir das dores, e por acreditarem que podiam selecionar o que não queriam sentir...foram aos poucos ficando cada vez mais distantes de suas almas..Não se pode dizer pra alma que não quer sentir mais dor. Quando se diz isso... a alma entende, que voce não quer mais SENTIR....e aos poucos...voce vai passando a não sentir nada! A alma vai adormecendo..e passa a ter medo de qualquer coisa que ameace essa falsa estabilidade, que mais se parece com a MORTE do que com a VIDA.


Tenho visto também, como a sexualidade e o desejo ficaram reduzidos à genitalidade, e como foram associados apenas aos prazeres momentâneos e carnais (que são deliciosos), mas é como se voce pudesse ter e viver algo muito especial e mágico, e escolhesse ficar apenas com a parte menor que aquilo pode oferecer.


Bom...esse é um assunto vasto e profundo..e não quero ser leviana...vamos andando..vamos caminhando com ele. Participem....escrevam seus pontos de vista, façam seus comentários..indiquem para outras pessoas...vamos movimentar essa energia!


Ludmila Rohr



10 comentários:

  1. Lud, penso como vc, faz muito tempo que aprendi que a sexualidade é bem mais que a genitaidade, que o ato sexual é sagrado e lindo...é o que tento passar para as pessoas do meu convivio quando falamos do assunto: se o ato sexual nao fosse algo sagrado, divino, por que dele, se originaria a vida?
    Adorei o teu texto..chorei na parte que fala das dores, pois tenho dito muito a minha alma que nao quero mais sentir dor, e fiquei com medo que ela entenda que nao quero mais SENTIR.
    Sempre digo qu vc é minha estrela guia, pois o que vc escreve, fala direto a minha alma..vai direto ao encontro do que acredito, do que penso...
    Vou ler os outros textos agora.
    Bjoss minha querida!

    ResponderExcluir
  2. As vezes, na fase em que estou, fico matutando em cima do que disse Stuart Mill, "Aprendi a obter felicidade limitando meus desejos, ao invés de libertá-los." Aparte aforismos que não podem simplesmente administrar nossa vida, nos fazem pensar. Acho que não deve ser bem limitá-los, mas como você disse Ludmila, lidar com eles, os desejos, sem apego. É um aprendizado, pois desejos que não saem da cabeça, ficam só na imaginação,dependendo do significado que tem, pode ficar patológico. E então temos para incrementar a discussão Oscar Wilde com"toda a sua irreverência e mundanismo "A melhor maneira de se resistir a uma tentação é ceder". E a opinião de minha amiga também, quando conversei sobre o tema lido "Ai,..ai...se eu ceder as minhas tentações lá se vai a minha fidelidade..."

    Beijos
    Nilza

    ResponderExcluir
  3. QUE MULHERES MARAVILHOSAS QUE ABREM OS COMENTÁRIOS!!!! UAU!!
    VAMOS COLOCAR ESSE TEMA EM EVIDÊNCIA...VAMOS CHAMAR OUTRAS MULHERES PARA A DISCUSSÃO!!!

    ResponderExcluir
  4. MENINOS TEM LINGA E MENINAS TEM LONE....kikiki

    INTERESSANTE LUD AS PALAVRAS...KIKIKI

    NUM SOU MULHER MAS CURTO TEUS TEXTOS... NUM É QUE NUM SOU MULHER QUE NUM QUERO CONHECER MAIS AINDA O MUNDO DE VCS NÉ..PORQ, Q MUNDO INTERESSANTE .. :p

    ResponderExcluir
  5. Eu entendo o que diz....
    Entendo perfeitamente.

    A minha sexualidade tem tentado assumir minha vida em muitoas coisas....
    Ela assumiu quando mais precisei de forças!

    Estou dando corda para ela....

    Mas, é lamentável como sexo tem uma visão limitada e vulgar.

    ResponderExcluir
  6. A sexualidade é algo tão grandioso, e é para muitos ainda mistério, muitas pessoas ainda a enxergam como algo meramente genital. Partilho do seu ponto de vista, Ludmila. Se as pessoas não se restringissem a apenas esse lado da sexualidade, muitos problemas, até patológicos poderiam ser evitados. Acho que o fato de muitas pessoas ficarem estagnadas ou entediadas ajuda muito para a não vivência completa da existência humana.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Querida, releve a gafe, de certo, que não caí de pára-quedas, é que troquei a ordem, primeiro comentei e quando fui aderir, meu computador deu uma pane, e só agora, após meu retorno do Tocantins estou acessando.

    Bem, faço questão de ser compreendida no seguinte: Quando perguntei se desmanchei o nó, o fiz pelo dogma cristão. E, quer queira ou não, o CRISTIANISMO fecha aquele ciclo entre homem e mulher dentro do casamento. Agora, praticá-lo ou não é outra história, e que ainda bem (Graças a Deus!) ninguém está obrigado, é a lei do LIVRE ARBÍTRIO, minha gente!. Gosto desta palavra bem terrena, de que Deus é um “gentleman”. Todavia, tu tens razão quando falas que o assunto é vasto e profundo, a tal ponto, que tu não queres ser leviana. De fato, sob o prisma HUMANISTICO E FILOSOFICO é infindável com imensuráveis teses, e agrada a todos os egos.

    Fiquei a me perguntar a onde minha analise errou nestas citações: “...se o desejo for bom valeria pagar o preço...”; “...traindo a ordem...Quebrando paradigmas...provocar a ruptura na família ou na humanidade...”, ao ponto de que as tais não se refira AO DESEJO SEXUAL. Ainda fecho com elas.

    Ah!... Os deuses e as deusas, Ludmila... São como nós criaturas, que em nossas complexidades ontológica, precisamos de sexo e por tal se dá a elementar necessidade de vivenciar (seja explicitamente ou não)nossas sexualidades. Afinal, não é... que o Criador nos presenteou com tamanha benção, seja sob relação grudada entre o ápice e o espiritual, seja sob a relação do terreno!.

    Fiquei “boiando” nas partes finais do parágrafo cinco e seis. Será que entendi bem, e tu estavas querendo falar de frustração?. Se não foi, depois puxa um gancho, gostaria muito de te ouvir (ler) como psicoterapeuta. Depois manda a conta, tá bom!!.

    Paz e compreensão de Deus para nós todos.

    Orcilene.

    ResponderExcluir
  8. Coisa dificil este negocio de blog, né? Porque não aceitou meu comentário, e só aceitou como anônimo, eu já até seguir teu blog. Fazer o que?.

    Bem, agora me dê licença, Ludmila, que me dirijo para Mag.
    Quando os desejos nos incomodam ante a uma consciência espiritual que cada um de nós temos, buscamos o único caminho que dá refrigério e luz para cessar as nossas angústias, CRISTO. Entenda-me, por favor, minha querida, eu falo quando ele nos INCOMODA. As pessoas me são demasiadamente preciosas para que eu as machuque com imposições, que por sinal, eu odeio imposições. Falo dos meus posicionamentos para minha vivência. Mas daí não quer dizer que o assunto não esteja ao alcance do meu entendimento, ao contrário, eu entendo perfeitamente bem. E, como entendo, minha amiga!.

    Vamos fazer um momento lúdico: Eu aposto todas as minhas fichas que sobre este assunto, Mag, eu deixaria o divã da Dra. Ludmila, vazioooooooooooooo!.
    Com carinho,
    Orcilene.

    ResponderExcluir
  9. Este seu texto está maravilhoso, como muitos outros. Só entendi o que era sexualidade, após viver as chagas de Afrodite, infelizmente.

    Voltando a Sentir...

    Abraço, Edineide

    ResponderExcluir

Sempre leio todos os comentários e gosto muito de recebê-los!